O processo do projeto

Digamos que um arquiteto tenha um edifício para construir; lhe foi enviado um programa confuso (como todos os programas escritos) e cabe a ele dar ordem a esta primeira matéria.

Deve satisfazer as necessidades e aos serviços diversos; estuda-os separadamente, não deve pensar na arquitetura, quer dizer, no involucro destes diversos serviços.

Ele se contenta em colocar ingenuamente cada coisa em seu lugar; em cada uma das partes deste programa, percebe um ponto principal e o faz sobressair; seu trabalho complicado, confuso, simplifica-se pouco a pouco  (porque as ideias simples são as ultimas a chegar).

Logo busca juntar estas partes estudadas separadamente, ele ainda esta simplificando; mas este conjunto de estudos, reunidos por meios mesquinhos, não o satisfaz; sente que a este corpo falta unidade, pode-se perceber as emendas, elas são canhestras.

Continua procurando, coloca a sua direita o que esta a esquerda, na frente o que esta atrás, troca cem vezes a disposição de detalhes de sua planta.

Depois (suponho que se trata de um arquiteto consciencioso, que ama a sua arte e e severo consigo mesmo) ele se retira, deixa de lado as folhas cobertas de rascunhos; de repente, acredita ter percebido em seu programa uma ideia principal, dominante (observe que ninguém a colocou ali).

A luz se faz: em vez de começar seus projetos pelos detalhes para chegar a combinação do conjunto, inverte sua operação; vislumbrou o edifício, o modo em que os diversos serviços devem se submeter a uma disposição ampla, comum a todos.

Então estes detalhes, cujo arranjo torturava seu espírito, encontram seu lugar natural. Encontrada a ideia mãe, as ideias secundárias classificam-se por si mesmas e chegam ao momento oportuno.

O arquiteto e dono do programa, ele o domina, ele o refaz com ordem, ele o completa e o aperfeiçoa.

44632_full

Eugene Emannuel Viollet-le-Duc

Karina T Gularte |arquiKarina|
Karina T Gularte |arquiKarina|
Karina é arquiteta e urbanista, especialista em interiores e marcenaria. Graduada na UNIRITTER em 2014 atua na area há 9 anos é apaixonada por tudo aquilo que faz. Tem 31 anos, é casada com um historiador e tem uma gata siamesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
%d blogueiros gostam disto: